Cerâmica de Nanocomposite - Que são Cerâmica de Nanocomposite?

Professor Vikas Tomar, Escola da Aeronáutica e da Astronáutica, Universidade de Purdue
Autor Correspondente: tomar@purdue.edu

Sobre a cerâmica passada do meio século receberam a atenção significativa porque materiais do candidato para o uso porque materiais estruturais sob circunstâncias das taxas de carregamento altas, da alta temperatura, do desgaste, e do ataque químico que são demasiado severos para metais. Contudo, a fragilidade inerente da cerâmica impediu seu uso largo em aplicações diferentes.

O esforço científico Significativo foi dirigido para a factura de um projecto directo falha-mais tolerante da cerâmica de suas microestrutura pela incorporação das fibras ou as suiças que constroem uma ponte sobre a rachadura enfrentam apenas atrás da ponta da rachadura; projetando microestrutura com grões alongadas que actuam enquanto as pontes entre a rachadura enfrentam apenas atrás da ponta da rachadura; incorporando as segundas partículas da fase que deflexionam a rachadura que faz a para viajar um trajecto mais tortuoso; e incorporando as fases secundárias que se submetem o esforço induziu a expansão de volume que força as faces da rachadura junto. Contudo, uma da revelação a mais recente foi a distribuição de fases múltiplas em um composto cerâmico na escala nanoscopic do comprimento. Devido à predominância de características nanoscopic, tais compostos são referidos como nanocomposites cerâmicos.

A definição do material do nanocomposite alargou significativamente para abranger uma grande variedade de sistemas tais como materiais de uma dimensão, bidimensionais, tridimensionais e amorfos, feito de componentes distintamente dissimilares e misturado na escala do nanômetro. A classe geral materiais orgânicos/inorgánicos do nanocomposite é uma área de pesquisa de crescimento rápido. Reduzir os tamanhos de características estruturais nos materiais conduz a um aumento significativo na parcela de átomos da superfície/relação.

As energias de superfície/relação controlam essencialmente as propriedades de um sólido. As Relações fornecem meios introduzir a não homogeneidade no material. Esta não homogeneidade actua como uma alteração significativa de propriedades térmicas e mecânicas dos compostos. A mistura Selectiva dos materiais em uma morfologia altamente costurada com a porcentagem alta da área da relação, conduz aos materiais com propriedades aumentadas.

As propriedades de materiais nano-compostos dependem não somente das propriedades de seus pais individuais mas igualmente de suas morfologia e características interfacial. Os nanocomposites encontram seu uso em várias aplicações devido às melhorias nas propriedades sobre as estruturas mais simples. Poucas de tais vantagens podem ser resumidas como:

  • Força Melhorada das propriedades Mecânicas por exemplo, módulo e estabilidade dimensional
  • Permeabilidade Diminuída aos gáss, à água e aos hidrocarbonetos
  • Mais Alta temperatura da estabilidade Térmica e da deformação térmica
  • Retardação Mais Alta da Chama e emissões de fumo reduzidas
  • Resistência Química Mais Alta
  • Aparência De Superfície do Smoother
  • Condutibilidade Elétrica Mais Alta

Para os componentes usados em um motor de turbina do gás, uma vida até 10000 h e uma força retida de MPa ~300 em uma temperatura do °C 1400 foram postuladas, junto com a taxa insignificante do rastejamento. Além Disso, em temperaturas elevados, o material deve exibir a resistência alta a choque térmico, à oxidação, e ao crescimento de rachadura subcritical. Os nanocomposites Cerâmicos foram mostrados para ser extremamente importantes para tais aplicações futuras.

Os materiais compostos cerâmicos maiorias Avançados que podem suportar as altas temperaturas (°C) >1500 sem degradação ou oxidação podem igualmente ser usados para aplicações tais como as peças estruturais dos motores do motor, permutadores de calor catalíticos, centrais nucleares, e sistemas da combustão, além de seu uso em centrais eléctricas da conversão de energia fóssil. Estes estábulo duro, de alta temperatura, compostos cerâmicos oxidação-resistentes e revestimentos são igualmente dentro procura para aplicações dos aviões e da nave espacial.

Um tal sistema material nesta classe de compostos, Carboneto de Silicone/compostos Nitreto de Silicone (Sic/34Pecado), foi mostrado para executar muito bem sob circunstâncias de oxidação de alta temperatura. O Interesse em tais nanocomposites começou com experiências de Niihara2 que relataram grandes melhorias na dureza da fractura e na força dos materiais encaixando partículas da escala do nanômetro (20-300 nanômetro) dentro de uma matriz de grões maiores e nos limites de grão. Uma melhoria 200% na força e na dureza da fractura, a melhor retenção da força em altas temperaturas, e as melhores propriedades do rastejamento foram observadas.

Uma microestrutura avançada do nanocomposite tal como aquela de nanocomposites policristalinos do Nitreto de Silicone do Carboneto de Silicone (Sic) - (Si3N4), Figura 1, contem escalas múltiplas do comprimento com espessura do limite (GB) de grão do pedido de 50 nanômetro, Sic dimensão das partículas do pedido de tamanhos de 200-300 nanômetro e34 de grão do Pecado do pedido do µm 0,8 a 1,51. Projetar a microestrutura de tal composto (e de outro similar tal como nanocomposites34 do Estanho-Pecado,23 do SIC-AlO, do SIC-SIC, do Graphene/CNT+SiC, e do Carbono Fiber+SiC) para um grupo visado de propriedades materiais é, conseqüentemente, uma tarefa intimidante. Desde Que a microestrutura envolve escalas múltiplas do comprimento, o projecto da matéria-prima das análises do multiscale é uma aproximação apropriada para tal tarefa.

Figura 1. microestrutura Real de um nanocomposite SiC-Si3N41

O trabalho cerâmico do nanocomposite no Laboratório de Multiphysics em focos de Purdue (1) no Desempenho Compreensivo do Carboneto e do Nitreto Baseou Nanocomposites Cerâmico De Alta Temperatura para os Ambientes Extremos encontrados nos ciclos da produção de electricidade que Incluem Aplicações Nucleares, (2) Modelagem de Multiscale e Caracterização em Materiais Cerâmicos do Óxido e (3) Compreendendo a condução térmica e edições térmicas nos materiais para a produção de electricidade termoelétrico. Uma descrição de áreas de interesse principais e de contribuições é como segue:

  • Condução térmica Compreensiva e edições térmicas para desenvolver materiais com baixa condutibilidade térmica3-5: Este trabalho centra-se sobre a compreensão de mecanismos atomísticos da operação dos nanocomposites para a produção de electricidade termoelétrico tais que os materiais com baixa condutibilidade térmica poderiam ser desenvolvidos. As simulações moleculars Explícitas que usam a dinâmica molecular (MD) são executadas para compreender como as alterações da morfologia podem ser usadas para reduzir a condutibilidade térmica nos nanocomposites. Nós encontramos determinado regime biomimetic que poderia conseguir a redução significativa na condução térmica. Nós somos em processo de fazer e de testar tais materiais.
  • O Desempenho Compreensivo do Carboneto e do Nitreto Baseou Nanocomposites Cerâmico De Alta Temperatura para os Ambientes Extremos que Incluem Aplicações Nucleares6-12: Este trabalho de pesquisa centra-se sobre mecanismos compreensivos de operações da temperatura ambiente e da alta temperatura dos materiais cerâmicos do nanocomposite avançado que podem permitir a operação de central eléctrica em temperaturas além de K 1750 que conduz às eficiências de quase 70% e à redução significativa nas emissões da planta. Como um ramo, este projecto igualmente centra-se sobre propriedades térmicas destes materiais para o uso possível como materiais multifuncionais de alta temperatura, materiais estruturais de alta temperatura em aplicações nucleares ou sensores do calor em aplicações nucleares.
  • Modelagem e Caracterização de Multiscale em Materiais Cerâmicos do Óxido13-18: O Foco durante este trabalho estêve no comportamento termomecânico compreensivo do multiscale de materiais compostos avançados tais como compostos multifuncionais23 do nanocrystalline de Al+FeO e compostos cerâmicos23 da armadura de grande resistência2 do AlO/TiB. Esta pesquisa sobre análises atomísticas da deformação dos nanocomposites23 multifuncionais de Al+FeO que usam a DM é um do primeiro na área de análises atomísticas da deformação de nanomaterials compostos cerâmicos avançados. Em simulações desta DM da grande escala do trabalho de compostos multifuncionais23 do nanocrystalline Al+FeO, do Al monocristalino, de FeO monocristalino23, e de várias configurações interfacial do Al monocristalino e do FeO23 são executados. No caso compostos23 cerâmicos da armadura2 do AlO/TiB, nós desenvolvemos e usamos um método de elemento finito coesivo novo (CFEM) para a caracterização quantitativa da fractura dinâmica.

A contribuição acima é baseada fortemente em uma aproximação de processamento projecto-experimental do modelar-material colaborador do multiscale. Um instantâneo da aproximação colaboradora total da pesquisa na modelagem, no projecto, e nos destaques da fabricação é fornecido abaixo.

Modelagem de Multiscale de Nanocomposites Cerâmico: Um Exemplo do Trabalho no SIC-Pecado34 Nanocomposites Cerâmico

Nossas análises do multiscale (em escalas do nanômetro e do comprimento e de tempo do micrômetro) baseadas em uma combinação de CFEM e de técnicas baseadas DM revelaram que as partículas Sic feitas sob medida de grande resistência e relativamente pequeno- actuam como locais da concentração de esforço na matriz34 do Pecado que conduz à matriz intergranular34 do Pecado que se racha como um modo de falha dominante. As análises de CFEM igualmente revelaram aquela devido a um número significativo de partículas Sic nano-feitas sob medida que estam presente na matriz micro-feita sob medida34 do Pecado, Sic a queda das partículas invariantly em regiões da vigília de microfissura que conduzem à força mecânica significativa. Isto que encontra foi confirmado nas análises da DM que revelaram que a partícula que se aglomera ao longo do GBs aumenta significativamente a força destes nanocomposites. Quando algumas morfologias do nanocomposite definirem agudamente relações34 do SIC-Pecado19, outras morfologias do nanocomposite têm a difusão de átomos de C, de N, ou de Si nas relações20.

No caso dos nanocomposites34 do SIC-Pecado, as análises da DM igualmente revelaram que as segundas partículas da fase actuam como significativo forçam raisers no caso da matriz monocristalina34 da fase do Pecado que afeta a força significativamente. Contudo, a presença da partícula não tem um efeito significativo na força mecânica de matrizes da fase do Pecado do bicrystalline34 ou do nanocrystalline. A força das estruturas34 do nanocomposite do SIC-Pecado mostrou uma correlação incaracterístico entre a espessura do limite (GB) de grão e a temperatura.

A força mostrou a diminuição com aumento na temperatura para as estruturas que têm GBs grosso ter a difusão de átomos de C, de N, ou de Si. Contudo, para estruturas sem a espessura apreciável do GB (nenhuma difusão de átomos de C, de N, ou de Si), devido à aglomeração e ao aumento da partícula na força34 interfacial do SIC-Pecado com temperatura, a força melhorou com aumento na temperatura. A Figura 2 instantâneos das mostras de análises da propagação da fractura em tais nanocomposites obteve usando o CFEM.

A Figura 2. Instantâneos do mesoscale racha a propagação e a propagação de dano nos nanocomposites34 do Pecado

Figura 3 instantâneos dos indicadores obtidos usando a DM. O trabalho de pesquisa Actual centra-se sobre a obtenção de imagens experimentais dos nanocomposites cerâmicos desenvolvidos pelos colaboradores, desenvolvendo malhas do nanoscale CFEM em tais imagens, e executando análises da falha usando a combinação de técnicas da DM e do CFEM.

Figura 3. Instantâneos da propagação atomística de dano e da falha em dois diferentes nanocomposites Sic (partícula) e34 do Pecado (matriz) em duas temperaturas diferentes.

Petascale que Computa o Projecto da Matéria-prima

As análises Atomísticas no nanoscale podem dar a informação importante sobre o efeito de características críticas tais como um GB, uma relação, ou uma junção tripla, Etc. no comportamento mecânico da deformação de uma amostra pequena do nanoscale (~ pouco nanômetro). No multiscale modelar tal informação é usada para formular modelos materiais do macroscale (µm do >few) para o comportamento dependente compreensivo da deformação da microestrutura de uma amostra material tal como essa mostrada no Figo. 1.

Os modelos matemáticos Apropriados de relações da propriedade da microestrutura reservam relacionar desempenhos como a dureza da fractura, a força final, a vida de fadiga Etc., aos parâmetros da microestrutura do material chave como a fracção de volume, o tamanho de partícula, e a composição da fase. Desde Que uma amostra típica do teste do nanoscale é muito menor e é sujeitada aos arredores variados em uma microestrutura típica (por exemplo Fig. 1), a incorporação da informação do nanoscale em modelos do macroscale é sujeitada à incerteza estatística.

Se uma microestrutura complexa deve ser projectado para um grupo visado de propriedades, é importante que tais incertezas correctamente estejam determinadas e incorporadas dentro de uma estrutura material robusta do projecto. Nós abrimos caminho a revelação de uma estrutura variável da gestão do modelo da fidelidade que pudesse incorporar análises materiais do comportamento em escalas múltiplas do comprimento em uma estrutura da optimização de projecto21-24, (Colaboração com grupo do Prof. John Renaud na Universidade de Notre Dame).

Figura 4 detalhes o fluxo de processo de uma ferramenta de gestão do modelo da multi-física do petascale para o projecto material do multiscale. Distribuído em uma máquina do petascale, a ferramenta de projecto desenvolvida nesta pesquisa, que integra atomístico e as análises do mesoscale que usam uma fidelidade variável modela a estrutura da gestão, facilitará uma redução significativa no custo e no tempo de revelação dos nanomaterials com um aumento simultâneo nas combinações diferentes possíveis de fases individuais do material composto conseguir o desempenho material desejado.

A estrutura modelo da gestão21,22, além de controlar os modelos e as escalas, é igualmente boa - serido para controlar o paralelismo hierárquico. A hierarquia natural é DM dentro de CFEM dentro do projecto sob a incerteza, usando um modelo de programação misturado SHMEMTM pelo SGI para CFEM e MPI para a DM e a modelagem da incerteza. a DM e a quantificação da incerteza (através da integração de Carlo do quasi-Monte) podem usar 1000 processadores, e CFEM 10, assim que os grupos 1000 da quantificação da incerteza de 10 grupos de CFEM de 1000 processadores de HMC são 107 processadores, aproximando o exascale.

Figura 4. Estrutura Material do Projecto de Petascale do Diagrama Esquemático

As análises materiais Preliminares do projecto do sistema modelo foram executadas para compreender os parâmetros relativos morfologia que devem ser controlados para o grupo visado óptimo de propriedades. A aplicação da ferramenta de projecto está centrando-se sobre os modelos compostos cerâmicos da fibra (CFCCs) contínua de nanocomposites34 do SIC-Pecado, Figo. 5. A segunda fase (círculos e cilindros) é Sic as fibras que têm um módulo elástico mais alto e uma resistência de rastejamento mais alta (e) mas um mais baixo esforço de rendimento e fracturam a dureza, do que isso da fase preliminar34 do Pecado. O problema é projectar o CFCC o mais apropriado, com resistência máxima da força e de rastejamento para um grupo de temperaturas externos T, onde o número de variáveis do projecto dependerá sobre se os testes da simulação estão executados no modelo 2 dimensionais (2-D) ou 3 (3-D) dimensional. As variáveis do projecto a ser consideradas no problema da optimização de projecto do nanocomposite, para o 2-D modelo, estão o diâmetro das fibras (d) e a uma temperatura externo (T). E para o modelo 3-D as variáveis do projecto a ser consideradas são o diâmetro das fibras (d), o comprimento das fibras (l) e a temperatura externo (T). A definição de problema no formulário padrão é dada abaixo:

Figura 5. modelos da fidelidade de Alto e baixo para os nanocomposites de CFCC

Figura 6 ilustra valores normalizados da função (de 0-100) para a taxa de tensão da força e do rastejamento em função das variáveis do projecto para o modelo da alta fidelidade (3-D) e o baixo modelo da fidelidade (2-D). Figura 6 (deixada) mostra um aumento na força de CFCC e uma diminuição correspondente na taxa de tensão do rastejamento enquanto o projecto d variável aumenta. Similarmente para o modelo da alta fidelidade, o Fig. 6 (direito) mostra um aumento na força de CFCC e uma diminuição correspondente na taxa de tensão do rastejamento enquanto as variáveis d e l do projecto aumentam.

Figura 6. (deixada) taxa de tensão da Força e do rastejamento em 1500oC em função da largura-altura variável do projecto (d) para o 2-D baixo modelo da fidelidade. taxa de tensão (direita) da Força e do rastejamento em 1500°C em função da largura-altura das variáveis do projecto (d) e do comprimento das fibras (l) para o modelo 3-D da alta fidelidade.

Fabricação

O Foco durante esta actividade está em formar uma estrutura deprocessamento colaboradora onde os nanocomposites cerâmicos complexos para o grupo visado de propriedades mecânicas e não-mecânicas poderiam ser produzidos sem desperdiçar o tempo significativo e o dinheiro da tentativa e erro. Nós estamos colaborando com o grupo do Prof. Rajendra K Bordia na Universidade de Washington-Seattle. A cerâmica derivada Polímero (PDCs) é uma aproximação atractiva para fazer projecto material a morfologia prevista de nanocomposites cerâmicos. Primeiro Niihara e seus colegas de trabalho e então outro usaram esta aproximação para fazer compostos reforçados nanoscale do elevado desempenho25-27.

A pesquisa Continuada nesta área conduziu à revelação de uma escala dos nanostructures. Uma classe particularmente interessante de materiais tem nanodomains predominante amorfos do Si-O-c conter o nanoscale reforços Sic e de C. Estes materiais têm as características desejadas para uma escala larga de aplicações de alta temperatura ao oferecer o maior controle sobre o processamento, as composições e o nanostructure. PDCs é produzido pyrolyzing polímeros preceramic e é tipicamente amorfo até muito de alta temperatura mas fornece muito intrigante cerâmico-como propriedades, tais como a boa resistência do rastejamento e de oxidação28,29.

Algumas de suas propriedades originais são associadas com a formação in situ de nanodomains e a falta de limites de grão em suas microestrutura. Devido à natureza polimérico (thermoset) dos precursores, esta família dos materiais é facilmente a tratar como fibras, matrizes para compostos, estruturas porosas e revestimentos30,31. A Maioria PDCs estudado podem ser categorizados em três grupos principais: (i) os oxycarbides do silicone do carboneto de silicone (Sic) (ii) (SiOC) e (iii) o silicone carbonitrides (SiCN). SiOCs e SiCNs são distintivo devido a sua composição molecular híbrida entre SiO2 e Sic e no meio Sic e Pecado34, respectivamente com nível adicional de carbono “livre” como ilustrado esquematicamente no Figo 7 para o sistema do Si-O-c.

Figura 7. Diagrama Esquemático de Relações da Fase no Sistema do Si-O-c

Uma característica nanostructural original destes materiais é que o carbono adicional controlado está dispersado como camadas do graphene com tamanho do domínio de alguns nanômetros. O Controle de, e a compreensão da revelação de tais características nanostructural, usando uma aproximação experimental e atomística integrada da simulação, são o foco de nossa pesquisa colaboradora.

Reconhecimento

O trabalho de pesquisa relacionado em nosso laboratório foi tornado possível pelo apoio do Escritório da Força do Nos-Ar da Investigação Científica (Gestor de programa: Dr. Joana Mais Completo), o Nos-Departamento da Energia, e a Fundação Nos-Nacional da Ciência


Referências

1. Weimer, A.W. e Bordia, R.K., Processamento e propriedades de compostos do nanophase SiC/Si3N4. Parte B dos Compostos: Engg, 1999. 30: p. 647-655.
2. Niihara, K., conceito de projecto Novo para nanocomposites estruturais da cerâmica-Ceamic. J. Ceram. Soc. Jpn: A edição memorável centenária, 1991. 99(10): p. 974-982.
3. Samvedi, V. e Tomar, V., Análises da resistência térmica do limite da relação do sistema do superlattice de Si-GE em função da espessura de filme e periodicidade. Nanotecnologia 20 (2009) 365701 (11pp) (Menção Especial por Editores e por Revisores), 2008.
4. Samvedi, V. e Tomar, V., Papel do sentido de fluxo do calor, espessura de filme do monolayer, e periodicidade em controlar a condutibilidade térmica de um sistema do superlattice de Si-GE. J. Appl. Phys. (igualmente caracterizado no Jornal Virtual da Ciência e da Tecnologia de Nanoscale), 2008. 105: p. 013541.
5. Samvedi, V. e Tomar, V., Papel do esticão e morfologia na condutibilidade térmica de um grupo de superlattices de Si-GE e de nanocomposites biomimetic de Si-GE. Submetido ao Jornal da Física-d, Física Aplicada, 2009.
6. Tomar, simulação de V. Multiscale da fractura dinâmica em SiC-Si3N4 policristalino usando um método de elemento finito coesivo molecular motivado. em 48th Estruturas de AIAA/ASME/ASCE/AHS/ASC, na Dinâmica Estrutural, e na Conferência dos Materiais (os 23-26 de abril de 2007) Honolulu, Havaí. 2007: Papel Não AIAA-2007-2345.
7. Tomar, V., Análises do papel das segundas da fase partículas Sic na variação dependente da resistência da fractura da microestrutura dos nanocomposites SiC-Si3N4. Modelando Simul. Mater. Sci. Inglês. , 2008. 16: p. 035001.
8. Tomar, V., Análises do papel de limites de grão na resistência dinâmica da fractura do mesoscale dos nanocomposites SiC-Si3N4 intergranulares. Inglês. Fract. Mech., 2008. 75: p. 4501-4512.
9. Tomar, V. e Gan, M., nanomechanics dependente da Temperatura de nanocomposites do si-c-n com uma conta de limites da aglomeração e de grão da partícula. submetido ao Int. J. Energia de Hidrogênio, 2009.
10. Tomar, V., Gan, M., e Kim, H., Efeito da temperatura e morfologia na força mecânica de nanocomposites do Si-C-o e do Si-C-n. Submetido ao Jornal da Sociedade Cerâmica Européia, 2009.
11. Tomar, V. e Samvedi, V., simulações Atomísticas compreensão baseada do mecanismo atrás do papel de segundas partículas da fase Sic na resistência da fractura dos nanocomposites SiC-Si3N4. Jornal Internacional da Engenharia Computacional de Multiscale, 2009 (DOI: 10.1615/IntJMultCompEng.v7.i4.40, 277-294 páginas).
12. Tomar, V., Samvedi, V., e Kim, H., compreensão Atomística da aglomeração da partícula e efeito de tamanho da partícula na força da temperatura ambiente dos nanocomposites SiC-Si3N4. para aparecer no Int. J. Multiscale Compartimento Engg. edição especial em Avanços Na Ciência de Materiais Computacional, 2009.
13. Tomar, V., Modelagem Molecular do Sistema do Nanomaterial Al-Fe2O3. 2009: Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. QUILOGRAMA de VDM Verlag, ISBN 978-3-639-15858-8.
14. Tomar, V. e Zhou, M. Um potencial empírico da dinâmica molecular para uma mistura reactiva do pó de metal Al+Fe2O3. em 45th estruturas de AIAA/ASME/ASCE/AHS/ASC, conferência estrutural da dinâmica e dos materiais. 2004. Palm Springs, CA EUA: AIAA.
15. Análises de Tomar, de V. e de Zhou, de M., Determinísticas e estocásticas da fractura dinâmica em microestrutura cerâmicas bifásicas com propriedades materiais aleatórias. Inglês. Fract. Mech., 2005. 72: p. 1920-1941.
16. Tomar, V. e Zhou, M., potencial Clássico da molecular-dinâmica para a força mecânica do nanocrystalline fcc-Al+a-Fe2O3 composto. Rev B de Phys, 2006. 73: p. 174116 (1-16).
17. Tomar, V. e Zhou, M., assimetria da força da Tensão-Compressão de compostos do cerâmico-metal do nanocrystalline a-Fe2O3+fcc-Al. Appl. Phys. Lett., 2006. 88: p. 233107 (1-3).
18. Tomar, V. e Zhou, M., Análises da deformação elástica de compostos do nanocrystalline a-Fe2O3+fcc-Al usando a dinâmica molecular clássica. Jornal dos Mecânicos e da Física dos Sólidos, 2007. 55: p. 1053-1085.
19. Bill, J., Kamphowe, T.W., Mueller, A., Wichmann, T., Zern, A., Jalowieki, A., Mayer, J., Weinmann, M., Schuhmacher, J., Mueller, K., Peng, J., Seifert, H.J., e Aldinger, F., cerâmica Precursor-Derivada da NC do Si (B): thermolysis, estado do amorphus, e cristalização. Appl. Química Organometálico, 2001. 2001(15): p. 777-793.
20. Jalowiecki, A., Bill, J., Aldinger, F., e Mayer, J., caracterização da Relação de Si3N4 B-Lubrificado nanosized/Sic de cerâmica. Os Compostos Peça A, 1996. 27A: p. 721.
21. Gano, S.E., Agarwal, o H., Renaud, J.E., e Tovar, A., Confiança basearam o projecto usando a optimização variável da fidelidade. Engenharia da Estrutura e da Infra-estrutura, 2006. 2 (3-4): p. 247-260.
22. Gano, S.E., Renaud, J.E., e as Máquinas de lixar, optimização da fidelidade de B. Variável que usa um krigin basearam a função da escamação. na 10ns análise de AIAA/ISSMO e conferência Multidisciplinares da optimização. 2004. Albany, New York.
23. Mejia-Rodriguez, G., Renaud, J.E., e Tomar V., estrutura variável da gestão do modelo da fidelidade de A para projetar materiais multiphase. Jornal de ASME do Projecto Mecânico, 2007. 130: p. 091702-1 13.
24. Mejia-Rodriguez, G., Renaud, J.E., e Tomar V. Uma metodologia para o projecto computacional do multiscale dos compostos cerâmicos contínuos da fibra SiC-Si3N4 baseados na estrutura variável da gestão do modelo da fidelidade. na ó Conferência Multidisciplinar do Especialista da Optimização de Projecto do AIAA (os 23-26 de abril de 2007) Honolulu, Havaí. 2007: Papel Não AIAA-2007-1908.
25. Kroke, E., Li, Y. - L., Konetschny, o C., Lecomte, o E., Fasel, o C., e Riedel, R., Silazane derivaram a cerâmica e relacionaram materiais. Esteira. Sci. e Engr.: R: Relatórios, 2000. 26 (4-6.): p. 197-199.
26. Niihara, K., Izaki, K., e Kawakami, T., nanocomposites Quente-Pressionados de Si3N4-32%SiC do pó amorfo do Si-C-n com força melhorada acima de 1200O C.J da Ciência de Materiais Letra, 1990. 10: p. 112-114.
27. Macilento, J., Duan, R. - G., Gasch, M.J., e Mukherjee, A.K., compostos nano-nano Altamente rastejamento-resistentes do nitreto de silicone/carboneto de silicone. J. Am. Ceram. Soc., 2006. 89(1): p. pp. 274-280.
28. Raj, R., L., Xá, S.R., Riedel, R., Fasel, C., e Kleebe, H. - J., cinética da Oxidação de um silicone amorfo carbonitride cerâmico. J. Am. Ceram. Soc., 2001. 84(7): p. 1803-10.
29. Rouxel, T., Soraru, G.D., e viscosidade de Vicens, de J., de Rastejamento e abrandamento de esforço de vidros gel-derivados do oxycarbide do silicone. J. Am. Ceram. Soc., 2001. 84(5): p. 1052-1058.
30. Riedel, R., Mera, G., Hausner, R., e Klonczynski, A., cerâmica polímero-derivada Silicone-Baseada: Revisão das propriedades e das aplicações-um da Síntese. J. Ceram. Soc de. Japão, 2006. 114(6): p. 425-444.
31. Torrey, J.D., Bordia, R.K., Jr. de Henager, C.H., Blum, Y., Shin, Y., e Samuels, W.D., polímero Composto sistema cerâmico derivado para ambientes de oxidação. Jornal da Ciência de Materiais, 2006. 41: p. 4617-4622.

Copyright AZoNano.com, Professor Vikas Tomar (Universidade de Purdue)

Date Added: Jan 31, 2010 | Updated: Jun 11, 2013

Last Update: 14. June 2013 01:48

Tell Us What You Think

Do you have a review, update or anything you would like to add to this article?

Leave your feedback
Submit